20 maio 2014

Resenha: Quando eu era Joe - Keren David

| |
Autor(a): Keren David
Nº de Páginas: 224
Editora: Novo Conceito 
Título Original: When I was Joe
ISBN: 9.788581633398E12

Sinopse: ''Aos 14 anos, Ty presencia um crime bárbaro num parque de Londres (Inglaterra). A partir desse momento, tudo muda para ele: a polícia o inclui no programa de proteção à testemunha, e Ty é obrigado a assumir uma vida diferente, em outra cidade. O menino ingênuo, tímido, que costumava ser a sombra do amigo Arron, matricula-se na nova escola como Joe... E Joe não poderia ser mais diferente de Ty: faz sucesso com as meninas, torna-se um corredor famoso... Joe é tão popular que acaba incomodando os encrenqueiros da escola. Ser Joe é bem melhor do que ser Ty. Mas, logo agora, quando ele finalmente parece ter se encaixado no mundo, os atentados e ameaças de morte contra sua família o obrigam a viver no anonimato, em fuga constante e sob a pressão de prestar depoimentos sobre uma noite que ele gostaria de esquecer. Um livro - de tirar o fôlego! - sobre coragem e sobre o peso das consequências do que fazemos.''


  Logo que eu acabei de ler este livro a duas semanas atrás, eu o achei muito legal, mas depois de algumas horas refletindo sobre o começo, meio e fim, eu percebi que ele não era tão legal assim.
  O começo é muito parado, assim como o meio... e o fim. Sério, enquanto você está lendo a narrativa te envolve e não deixa você parar até chegar ao fim, mas quando você pensa sobre a história... ela não tem emoção, simplesmente não tem emoção. 

  O livro vai falar sobre um garoto, o Ty. Esse garoto acaba de presenciar um assassinato e contar para a polícia tudo que viu. Por motivos de segurança, Ty acaba tendo que entrar para o Programa de Proteção a testemunha - ele e sua mãe são obrigados a mudar a cor do cabelo, dos olhos, de cidade, e até de nome.
  Nessa nova cidade, o Ty - que agora se chama Joe - tem que tomar cuidado para não dar com a língua nos dentes, mas é claro que alguns problemas ainda irão surgir, como uma paixão... Quem sabe né?

  A edição, assim como todas da novo conceito, é bonita. As páginas são amareladas e grossas, a capa tem verniz localizado e alto relevo.
  Eu não me recordo se o segundo livro já foi ou não lançado nos Estados Unidos.

Bom galera, espero que tenham gostado.
Abraços.



Nenhum comentário:

Postar um comentário